3.1.06

publicidade


no próximo dia 19 deste mês, serei o poeta convidado na sessão das famosas «quintas de leitura» do teatro do campo alegre, no porto.
a sessão que pensei com o programador joão gesta será designada por «folclore íntimo», título de um pequeno livro meu a sair, e conta exclusivamente com a leitura de textos inéditos escritos propositadamente para a ocasião. as leituras serão feitas por mim, pela susana menezes com apoio visual da rute carlos, pelo isaque ferreira e pelo novo sex symbol das novelas portuguesas, o pedro lamares.
a segunda parte, musical, estará a cargo dos magníficos mécanosphère (adolfo luxúria canibal e benjamin brejon), que têm um novo álbum prestes a chegar ao mercado.
a partir de hoje as entradas estão à venda. todas as sessões das «quintas de leitura» esgotam, por isso deixo já a dica, porque pela minha parte terei apenas dois convites para familiares. assim, quem estiver interessado, deve meter os pés ao caminho o quanto antes. o telefone da bilheteira do teatro, para reservas, é o 226063000.

16 comentários:

  1. Lá estarei! Assim haja bilhetes amen!

    ResponderEliminar
  2. Anónimo4/1/06 21:49

    Temos aqui um equívoco: desde quando é que VHM é poeta? Desde quando é que um tipo que nem sequer sabe escrever em maiúsculas é mais do que um iletrado?
    Haja arrogância...

    ResponderEliminar
  3. Ainda bem que o cobarde ANONYMOUS não se identificou. Seria difícil de resistir e partiria também eu para a ignorância...

    ResponderEliminar
  4. foi interessante saber que os poetas necessitam aplicar as maiúsculas. sempre a aprender...haja paciência...é pena ser numa quinta...senão aí estaria+beijinhos da inês, a subtil...em_minúsculas_que_não_sou_poeta*

    ResponderEliminar
  5. Olá!

    É minha primeira vez aqui. Gostei.

    Abraços do CC.

    ResponderEliminar
  6. inês lourenço7/1/06 02:31

    Olá valter,

    Recebi o convite.
    Já nos temos encontrado lá, como sabes. A última foi na sessão da Ana Luísa. Acontece que à mesma hora,do mesmo dia, a Sofia toca, no lançamento de um livro do Mário Cláudio. Mas fico com grande curiosidade de ler a tua escrita mais recente.
    Abraço e boa performance!
    I. L.

    ResponderEliminar
  7. Anónimo8/1/06 22:39

    Mas quem é a sofia toca??? ou será roca ou sofia na toca!!!

    ResponderEliminar
  8. Anónimo8/1/06 22:48

    E quem é esse Mário Cláudio? Isso é nome de bicha brasileira.
    Ele escreve telenovelas? E mete muitos pretos? Ou os supositórios são brancos?

    ResponderEliminar
  9. Anónimo9/1/06 00:50

    Alguns suínos vêm aos blogues vomitar.

    ResponderEliminar
  10. professor de gramática portuguesa9/1/06 01:21

    Asnónimo ou asnónima das 10 e 48:

    O asno zurra.
    A jumenta escouceia.
    Os ignorantes deturpam.
    Os cretinos emporcalham.

    Não há vírgulas entre o sujeito e o predicado.

    ResponderEliminar
  11. Anónimo9/1/06 18:45

    Leiman: essa do "se não fosse cá por coisas partia para a ignorância" é a desculpa mais comum entre a gente sem guisos. Portanto, de cobardias ou de falta delas, estamos conversados.
    Se eu escrevesse aqui que me chamo Carlos, ou Luís, ou Eufrásio, ou Francisco, fazia alguma diferença? Era por isso que você deixava de ser cobardolas e me vinha fazer afronta à porta do emprego? Tenha juízo!
    E lave os dentes.

    Inês: não é condição essencial para ser poeta o uso de maiúsculas. É sim condição essencial para ser letrado: para mostrar que se andou na primária e se aprendeu por lá a escrever, e não com uma tia rwanhosa que pouco mais saberia que o seu (feioso) discente, como é o caso duns que eu cá sei...

    ResponderEliminar
  12. Anónimo9/1/06 18:45

    Ler "ranhosa, e não rwanhosa". Mistype...

    ResponderEliminar
  13. turista acidental9/1/06 19:07

    A avaliar pelas lindas imbecilidades que dizes, de "letrados" e poetas, a tua tromba deve ser uma delícia!

    ResponderEliminar
  14. Anónimo9/1/06 21:29

    Ao turista acidental:

    Estabelece lá o nexo de coerência entre aquilo que eu digo e a minha genitália (única parte do meu corpo que se assemelha a uma tromba).
    Doutro modo, tá caladinho.

    ResponderEliminar
  15. senhor anónimo, pois já percebi que tem pilinha...
    de surpresa em surpresa...
    um poeta deve mostrar que frequentou a instrução primária...interessante...e pós graduações? também deve mostrar...e cursos de inglês...e etc?
    Mistype...quer dizer o quê na verdade? não encontrei no dicionário...francamente tanta bestialidade (que vem de besta e não de bestial) junta é difícil. PARABÉNS!

    ResponderEliminar
  16. Um poeta deve mostrar que tem a instrução primária, porque é por lá que se aprende a escrever correctamente - não é isso que um poeta deve, primordialmente, fazer?
    Quanto a pós-graduações e afins, são imbecilidades suas (que vem de imbecil, tal como o nome indica).
    Mistype é um expressão que significa algo como "gralha" mas que faz parte do chamado jargão da net, e se aplica quando alguém dá um erro de ortografia por estar a escrever à pressa.
    No mais, tenho pilinha, de facto.
    Em necessitando mais explicações, contacte-me no mesmo lugar.

    ResponderEliminar