7.4.08

novo inverno

que caramba de trânsito quando o céu se tornou caleidoscópio~da tua ausência, ou foi da chuva. sim, talvez tenha sido da chuva. mas pasmando de encontro a tamanho espectáculo o que mais senti foi a tua ausência

10 comentários:

  1. Não sei como aportei aqui, mas fiquei maravilhado pelos barcos. Verdadeiras obras-primas da construção naval artesanal ainda. Por cá, deles, sente-se a ausência nas praias, no olhar, na memória que se perde.
    Abraço deste lado com mar.

    ResponderEliminar
  2. "Está zangado por ser pequeno quando tu eras grande, mas não, não é isso, está zangado por ser indefeso quando eras poderoso, mas não, também não é isso, está zangado por ser contingente quando eras indispensável, não é bem isso, está louco porque, quando te amou, não deste por isso"
    "The Dead Father", Donald Barthelme

    ResponderEliminar
  3. e a Primavera aqui a bater-me nos olhos, a cegar-me e a causar-me problemas de comentar este post!!!

    ResponderEliminar
  4. E esta chuva e este vento de um abril sem almas mil a falar de estarmos vivos. Só a chuva e umas palavras pelo meio, nos intervalos das pingas grossas, carregadas da fúria de chover, ânsia de missão cumprida por sobre a pele de quem passa, ou sobre o chão de terra ou não.
    Abraço
    p.

    ResponderEliminar
  5. eu sei (presumo pela cor do mar) :)
    que não seja senegal.


    ,mas é de certeza a sua escrita.

    elegíaca.



    abraço.

    ResponderEliminar
  6. São sempre de desespero as ausências, mesmo tendo à frente
    a maravilha da Natureza; talvez mais ainda por isso...


    Vim até cá através da Alice.
    Voltarei.

    Maria Mamede

    ResponderEliminar
  7. "aqui não há palavras. há a tua ausência. há o medo sem os teus lábios, sem os teus cabelos. fecho os olhos para te ver e para não chorar."

    ResponderEliminar
  8. e nós também sentimos a tua falta, valter. um beijo.

    ResponderEliminar
  9. Isso não é nada, comparado com a «bokassolândia!»

    Fui lá e fiquei pasmado com que vi e com o que ouvi!

    Seja como são tomé: veja para crer!

    ResponderEliminar