27.3.10

fora com o nojo deste papa protector de pedófilos



http://www.nytimes.com/2010/03/26/world/europe/26church.html?hp

15 comentários:

  1. Este papa tem um papel fundamental da vida da igreja, pelo que não deve ser expurgado. Deve continuar o trabalho profundo e empenhado de acabar com essa espécie de coisa que é o catolicismo.

    ResponderEliminar
  2. eu diria mais. fora com os papas.

    ResponderEliminar
  3. NÃO É SÓ O PAPA QUE É UM NOJO. É TODA A RELIGIÃO.

    ResponderEliminar
  4. Boa, mil vezes de apoio, fora com o papa pedófilo

    ResponderEliminar
  5. O povo dá como real os boatos que os pseudo-profissionais da informação (neste caso o NYT) apresentam e nem se dá ao trabalho de descobrir se tal corresponde à verdade. Desde esse real alimente o meu imaginário e confirme as minhas taras... para que serve a verdade?! De facto, como diz o próximo trabalho dos Mão Morta, a vida é um "pesadelo em peluche"... somos manipulados e acha-mo-nos opinadores e juízes de verdade quando afinal somos "peluches". Haja quem ainda seja homem, como o papa, que quer limpar a porcaria que uma fracção da sua gente faz.

    ResponderEliminar
  6. olha lá, ó anónimo, antes de mais, vai-te f*** por não teres tomates ou ovários que cheguem para assumires quem és e vires para aqui defender um cretino como este pape é - e os outros nem foram muito melhores. o que este idiota faz é sentar-se na cúpula de uma instituição podre que, vivendo à custa da esmola de todos - de todos, porque mesmo quem não quer dar é obrigado a dar pelas benesses que os estados atribuem à organização que a igreja é - não se ocupa com fazer o bem, senão atemorizar e distribuir o terror, mais acusar e condenar quem pense e tenha direito a pensar diferente.
    este é o papa das anedotas acerca do preservativo em áfrica, um papa cujas mortas de milhões de pessoas em áfrica haviam de lhe ser postas às costas, por ajudar a que se condenem, com base nessa ideia estúpida de que sexo é pecado.
    cresçam, gente, acreditar ainda vos fica bem, mas na carochinha já não há pachorra.

    ResponderEliminar
  7. Sou contra a religião, contra a propagação cega de ideologias encaradas como verdades absolutas. Contudo, há que analisar bem este tão mediático caso. Apenas 1% dos padres (talvez nem chegue a 1%) cometeu pedofilia. E muitos dos casos não chegam ao papa. Este papa é visto como um "tirano" ao lado do papa João Paulo II (que também ele era conservador, mas tinha a seu favor aquela imagem de avozinho simpático), porém o Ratzinger lutou muito mais pela punição da pedofilia do que o seu antecessor.
    Para quem não sabe, este papa emitiu uma Carta Universal a semana passada, onde falou destes casos como crimes, com essa mesma palavra, sem rodeios nem eufemismos.
    Para quem não sabe, muitos dos crimes analisados agora foram cometidos durante os papados de João Paulo II, Paulo VI e João XXIII.

    Eu estou na área de comunicação social e, analisando melhor esta relação entre igreja e Jornalismo, poderemos ver que há uma tendência por parte dos jornalistas a atacarem a igreja sempre que podem. Hoje surgiu um artigo num jornal português, creio regional, onde estava presente uma suspeição de um caso de pedofilia na igreja portuguesa. Essa suspeição tinha 3 páginas! Há um claro "bias" na forma como os jornalistas tratam a religião. E isso é evidente todos os dias. Assim como afirma, António Marujo, numa análise à igreja no Público.

    Há que ter atenção ao background das informações. Acho que deveria ter havido uma atitude mais severa e clara por parte da igreja nestes casos de pedofilia, mas, a culpa não é só do papa. Há cardeais, há bispos locais, há padres. Há pessoas singulares. E todas elas cometem erros.

    Fora com a igreja? com certeza. Mas não por ter um papa protector de pedófilos...

    ResponderEliminar
  8. Caro valter,

    Em relação ao preservativo, concordo piamente. Aliás é uma anedota aparecer gente como o Cardeal Trujillo, autoridade máxima para a bioética da Igreja, afirmar que o preservativo deixa passar o vírus HIV, acrescentando ainda que as autoridades sanitárias, quando alertam contra os perigos do tabaco, também deveriam alertar para os perigos do preservativo...
    Acrescento ainda uma afirmação anedótica de um arcebispo de Nairobi, Quénia : "O HIV tem crescido tão rápido por causa da disponibilidade de preservativos"

    Depois outro assunto é o aborto. Havendo um automatismo na igreja, de acordo com o seu direito canónico, que todos os envolvidos num aborto, são excomungados. Mesmo em casos de meninas de 9,10 anos que são abusadas e engravidam...

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  9. a biblia e um livro pedofilo,maria tinha 15 anos e jose 30 anos,a biblia tem muitos versiculos pedofilos ao longo da historia,eu ja li a biblia de uma ponta a outra,e quem ainda nao leu os cantares de salomao,devia de ver que eu tenho razao.

    ResponderEliminar
  10. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  11. Anónimo2/4/10 18:11

    Sr. (alegado) João Gaspar, o truque usado pelo senhor é mais velho que cagar de pé. Começar a lengalenga com "eu até sou contra a religião" é prática habitual da padralhada e seus lacaios. E depois vem com o parvalhão do Marujo que é outro lacaio e que anda nos jornais a escrever o que lhe mandam os bispos.
    Tenha juízo!

    ResponderEliminar
  12. Alegado? Epá uma pessoa mostra o nome e ainda tem que levar com tretas de pessoas que se escondem no anonimato? O senhor (alegado) Anónima tem imensa piada.

    Chamo-me João Pedro Pinto Gaspar, sou de Leiria e actualmente sou estudante de Jornalismo na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. E sim. Sou contra a religião. Mas não de forma radical. Considero-me agnóstico. Acho que a Igreja é a maior fraude da História e que fez muito mais pelo mal do que pelo bem, contudo sou uma pessoa coerente e tento ver as coisas de forma razoável. Se entrarmos no ridicularismo de alguns ateístas veremos que também eles seguem um caminho lamacento, assim como o seguido pelos membros religiosos.

    Sou contra muita coisa, mas, há que argumentar bem e defender bem os casos. Não vou atacar por atacar e, acredite, Sr. Anónimo que também eu ataco a Igreja.

    E fique descansado que tenho juízo.´

    Cumprimentos,

    (alegado) João Gaspar

    ResponderEliminar
  13. Ah, e não me trate por lacaio ou padralhada... lá por se poder esconder aqui, poderia ter um pouco mais de respeito quando fala... ;)

    ResponderEliminar