6.6.07

duplesssssssssssss

esta noite, no dupless, em famalicão, a malta vai curtir um electro rock erótico e de acesso livre ao wc para retoques de maquilhagem. pois, a partir da meia-noite e meia, de young gods a shy child, de uffie a mão morta, tudo para as líbidos mais preguiçosas se tornarem selvagens.
ali ao pé da câmara, no primeiro andar de um prédio de esquina. eu estou disfarçado de dj, para atordoar. venham-se, por favor

9 comentários:

  1. adorava mesmo ir, mas estou demasiado em england :D
    xxx

    ResponderEliminar
  2. rebelde sem causa7/6/07 05:51

    Atira qualquer coisa muito pesada ao chão
    Deixa que se parta e afasta-te dos cacos
    Como se não tivesses sido tu quem o fez
    Faz isto tantas vezes e deixa sempre para trás
    Um universo caótico de coisas aos bocados
    Pedaços inexplicáveis, um grito espalhado
    Pelo chão da cozinha. E quando a empregada
    Voltar, ela que arrume a confusão, ela que indague
    Os motivos misteriosos por trás da aparente revolta

    ResponderEliminar
  3. rebelde sem causa7/6/07 05:55

    Mata-me assim que acordar
    Como se me desses um beijo
    Atira-me para o escuro
    Onde não chegam mais sonhos

    Onde não me fará impressão
    Perder-te

    ResponderEliminar
  4. rebelde sem causa7/6/07 06:02

    Eu sou uma pedra
    Que o escrutínio privado
    Dos gestos das tuas mãos
    Elevou ao lugar do peito
    Mas enquanto ganho cor
    E vou ficando encarnado
    Sinto que a qualquer momento
    Te vais esquecer de mim
    E eu que quase me tornava
    Num coração, subitamente
    Estarei de volta no chão
    E serei apenas mais uma pedra
    É por isso que me recuso
    A ouvir as histórias
    Desse velho xexé
    O senhor Amor

    ResponderEliminar
  5. rebelde sem causa7/6/07 06:11

    Escreve-me versos ácidos em manhãs de chuva
    Quando não te apetece deixar o parapeito da janela
    Conta-me como é ter olhos postos nos cantos do mundo
    E observar apenas o centro do que está dentro de ti mesmo
    Explica-me lá isso de se ser poeta e como é não precisar de sair
    Nem do quarto nem de casa para se falar com o mundo todo, todo

    ResponderEliminar
  6. rebelde sem causa7/6/07 06:24

    Eu juro que vi um bicho sair-me da orelha
    Há dias que andava a sentir perninhas no cérebro
    Sentia comichão mas até pensei que fosse uma boa ideia
    A preparar-se para sair cá para fora e tentar mudar o mundo
    Mas hoje estava em frente ao espelho a contar os cabelos que me restam
    E o bicho saiu-me da orelha e ficou no meu ombro por um tempo
    Depois voltou a entrar e agora eu não sei o que faça
    Tenho um bicho esquisito enfiado na cabeça!

    ResponderEliminar
  7. rebelde sem causa7/6/07 06:27

    Podes espreitar a ver se o vês,
    por favor?

    ResponderEliminar
  8. lolita vai à praça7/6/07 13:17

    foda-seeee rebelde tens problemas sérios:)

    ResponderEliminar
  9. spam de poesia é uma praga :)

    ResponderEliminar