1.7.05

poema de josé rui teixeira

A magnólia floriu este inverno
e eu não sei como dizer-te
que me comove ainda que dê flor.


do livro «melopeia», edições cosmorama

8 comentários:

  1. às vezes é melhor dizer sem rodeios: a magnólia floriu este inverno. e dizer que a flor comove.
    assim mesmo, sem poesia. (será isso possivel!?)

    a verdade é que não foi o primeiro.
    não será o ultimo.

    e se a poesia chora mais no inverno, então que chova no meu quintal de trazer ao peito...

    aproveite-mos o sol enquanto brilha...

    ResponderEliminar
  2. Ainda há gente que pretende comover o texto com as estafadas magnólias? Ó pá, desde a Neto Jorge, ao teólogo Faria, aos haikus de todos os orientes (e até destes - o Sousa Braga, o Casimiro de Brito) -, todo o mundo já disse tudo sobre a "poética" florinha.
    Não percebem?

    ResponderEliminar
  3. ...mas as magnólias, têm cores diferentes todos os dias e depois ainda há as raizes e a terra, sobretudo a terra que lhe alimenta as cores e o perfume, e não se gasta nas palavras...

    ResponderEliminar
  4. quem disse que é um poema _sobre_ a magnólia? quem disse que os poemas são _sobre_ alguma coisa?

    ResponderEliminar
  5. que força impele alguém a alardear num estertor de narcisismo patológico...eu tenho isto eu vi aquilo o meu amigo isto o meu amigo aquilo...em exposição de catarse apedeuta?
    serafim74@hotmail.com

    ResponderEliminar
  6. OS poemas são sobre TUDO, ó espertinho armado em Drumond de Andrade. O que não há é imagens ou áreas semânticas "poéticas", lindérrimas, flutuantes, ab initio.
    A voz própria, conquista-se na diferença e nas palavras-chave de cada escriba e não em epigonismos incoscientes.
    E por aqui me fico.Apesar do erro ortográfico, o primeiro comentário desta caixa é o mais lúcido.

    ResponderEliminar
  7. estou a consultar o dicionário...como sou ignorante…
    não!
    não vou consultar mais...
    colou-se-me um tédio( des )angustiante...que se lixe a tradução.

    ResponderEliminar
  8. o primeiro comentário parece-me de facto lúcido, nomeadamente quanto à não necessidade de rodeios.

    e quanto a epigonismos (ainda por cima conscientes) estaremos conversados, não?

    quanto aqui ao espertinho, estará talvez a armar-se em DrumMond de Andrade, já que ao carapau já temos quem ocupe o lugar: ab initio.

    ResponderEliminar