18.1.07

não estou certo de nada. gostava, contudo,
de acreditar que existes, para te esperar sem
angústia, talvez pôr a música mais baixo, ouvir
os vizinhos a conversar, preparar coisas para te
dizer, ler um livro, vestir-me. gostava de ter
por ti um amor convencional, sem ter de o
imaginar. com um jantar pelo meio, um passeio
no mais popular do parque, a ver cisnes e a
fugir dos cavalos. mas não estou certo de nada, e
mais fácil é fechar as portadas, escolher um cobertor
quente e fazer com que vente mais e mais lá fora

imagem de rui effe

5 comentários:

  1. ex-nicereader18/1/07 10:10

    Nos últimos dias tenho a nítida sensação de lugares comuns a partir da leitura das tuas linhas. É curioso... É diferente!! Continua!!

    O ex-nicereader vai passar a jope a partir do próximo "comment"!

    Abraço e até depois!

    ResponderEliminar
  2. acho que esse sentimento aí por trás das palavras poderia ser também meu...

    ResponderEliminar
  3. esperar sem angústia...se aprenderes ensinas me?
    gosto gosto gosto
    de ti*
    muito muito muito
    i

    ResponderEliminar
  4. Já é uma certeza saberes que não estás certo de nada.
    .

    ResponderEliminar
  5. de uma crueza ou crueldade lancinantes. fantástico. a sério..

    [ ]

    ResponderEliminar