5.2.07

momentos floribella, três


floribella, querida, também eu estou farto de quem, por orgulho, não me quer amar. é verdade. estou farto de quem não se verga ao peso do coração. porque haverei de ser sempre eu a fazê-lo, pergunto-te. não o faço nunca mais. ao menos, não enquanto me doer.
a delfina, rapariga, é que tem razão. pensa só no dinheiro. é boa como o milho e come-os a todos. devias ser um pouco mais assim, floribella. eu também. vou ser insuportavelmente assim. à procura de dinheiro e mais nada.
estás com um penteado novo, ou é impressão minha. fica-te bem. vai ser interessante sair contigo esta noite. a ver se te pegam os adultos, que de tanta chavalada já deves andar com a mania da maternidade e isso, vade retro, é que não

(imagem do maravilhoso chris anthony)

4 comentários:

  1. .
    também estás a desorbitar, tu. (risos)
    .

    ResponderEliminar
  2. Anónimo5/2/07 12:07

    querido valter vamos buscar o pote com o ouro. ele anda aí à mostra, nós é que andamos cegos.
    tenho saudades duma boa tertúlia no teu sofá branco.podemos chamar a delfina para nos ensinar.
    muitas saudades mesmo. espero que estejas recuperado da constipação. eu ainda não estou porque tenho os pés frios e ninguém para os aquecer.um beijo, desta que te ama
    inês subtil

    ResponderEliminar
  3. extraordinária, esta triologia floribela... e sem saias às flores e música no coração...

    ResponderEliminar
  4. gostei, como sempre!
    beijos e rápidas melhoras.

    ResponderEliminar